sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Será a nova novela do Tiago Santiago, mais do mesmo? E vocês, o que sugerem? Nós sugerimos!!!


Isaac Santos & Convidados 

Dia desses, lendo uma nota sobre o autor Tiago Santiago já estar desenvolvendo a sua próxima novela no SBT, pensei em escrever algo referente a isso, pra este espaço.

Tiago, com passagens pela Globo e também pela Record, nesta última, obteve maior prestígio, sendo um dos principais autores da emissora. Foi nessa fase que ele e sua equipe conquistaram índices de audiência respeitosos com a exibição de novelas bem sucedidas, também pela crítica, vide ‘Prova de Amor’ e ‘Escrava Isaura’. Ainda com boa visibilidade do público, mas sob o “olhar atravessado” da maioria dos críticos de TV, fez por lá a trilogia ‘Mutantes’.


Ora, eu que sempre critiquei publicamente o Tiago Santiago, pelo excesso de didatismo [repare, eu disse “excesso”, pois sei que cada autor tem a sua característica e não há que ser incompreendido por isso], admiro a sua capacidade de criação [não me xinguem, mas os primeiros capítulos de ‘Caminhos do Coração’ demonstravam que viria algo interessante, a idéia original era legal, infelizmente se tornou numa estória sem noção, então desisti de acompanhá-la] e penso que não deva ser ignorada.

No SBT, ‘Uma Rosa com Amor’, embora uma produção modesta, se manteve com índices aceitáveis aos padrões da emissora. Mas foi com ‘Amor e Revolução’ que Tiago Santiago chamou a atenção de todos para a TV do Sílvio Santos. Ele ousou e de fato, deu uma aula de história [pecou nisso] sobre um tema político e polêmico, do nosso país, gabando-se por isso. Ah! Não conseguiu ser o responsável pela cena de beijo gay entre homens, porém conseguiu fazer barulho em cima do beijo entre personagens lésbicas.
  
‘Amor e Revolução’ se manteve nos TT (assuntos mais comentados do twitter) por força dos seus críticos. Aliás, essa prática virtual tem se tornado cada vez mais comum e os autores conscientes disso têm interagido por essas ferramentas.

Lembro da fala fervorosa de um dos seus fãs, em resposta a um comentário meu, no twitter (à época da exibição de Amor e Revolução). Algo sem maiores conseqüências, contudo demonstrando a postura que alguns preferem adotar, a da ignorância. Tudo muito passível de interpretações errôneas. Mas, certo de que as minhas opiniões nunca objetivaram uma simples “trolagem”, nem mesmo uma crítica destrutiva, não estou aqui a pedir desculpas. No entanto, acho digno que do mesmo modo a que nos habituamos criticar, evidenciemos a nossa insatisfação, justificando-a e o mais importante, motivando-o a alcançar sempre os melhores resultados possíveis.

Nesse intuito, propus uma tarefa a alguns amigos noveleiros e eles toparam. Pedi que partissem da seguinte hipótese: “A teledramaturgia do SBT quer saber a sua opinião sobre o estilo de escrita do autor Tiago Santiago. Feito isso, sugira ao mesmo, elementos que possam levá-lo a obtenção de uma trama bem sucedida. Capriche no texto ou tópicos, pois o faremos saber.”


Óbvio que seria pretensioso de minha parte, imaginar o autor lendo essa postagem, mas ao menos compartilhamos algumas idéias. O que já é muito válido!!!

Posto abaixo, o que a mim foi enviado pelos amigos Daniel Couri, Fábio Leonardo e Sidney Rodrigues, aos quais agradeço pela gentileza.

Fábio Leonardo (http://supercult01.blogspot.com) sugere:

A nova novela do SBT deve ser um bom folhetim, na acepção da palavra: manter ganchos atrativos, uma relação balanceada de ação, drama, comédia e romance. Pode ter uma trama policial, ou até mesmo uma pitada de realismo fantástico, desde que tratada de forma coerente com a proposta da trama. Cabe ao autor respeitar a inteligência do público: não propor situações nababescas, se elas não estiverem de acordo com aquilo que a trama se propõe a ser. Mesmo em tramas de época (e falo agora do lugar de aprendiz de historiador), a explicação sobre os acontecimentos reais que contextualizam a trama devem vir sublimados em situações, e não em diálogos professorais. Cabe lembrar que a novela tem o dever de informar, mas não é uma sala de aula.

Sidney Rodrigues sugere:

O que encanta a tantas pessoas que assistem os reality shows? É ver tramas que acontecem com pessoas normais, a novela poderia ter até um metateatro, um reality show na novela e como vivem as pessoas que estão no reality e as pessoas que ficaram de fora do local

- um jovem viciado em twitter e redes sociais e que através da rede faça uma mobilização pela trama central da novela
- uma "mocinha" que não aceite todas as malvadezas da vilã e só se rebele no último capítulo, as pessoas de verdade tem atitudes mais imediatas
- um "mocinho" que se apaixone por uma pessoa normal e que mostre os problemas do relacionamento cotidiano, não penas traições e chifres, indas e vindas, acho que falta mais naturalismo, pois há muitos temos a serem observados numa relação amorosa comum a de muitos seres humanos
- um chefe inseguro, que se apropria das ideias dos outros no trabalho
- um profissional de marketing, que faz de tudo para que seu produto seja aceito pelo mercado, tipo, vender uma Maria chuteira. 


Daniel Couri sugere:

Pode me chamar de saudosista e até de conservador, mas sempre achei que, para conquistar o público e prender a atenção, uma novela precisa ter os elementos "clássicos" das telenovelas. Não necessariamente copiar outras, mas fazer uso de situações que despertem o interesse do público.

Personagens que são dados como mortos e reaparecem na trama; barracos conjugais; mocinhas ambiciosas em busca de ascensão social; galãs acusados injustamente tentando provar sua inocência; vilã que coloca anel de brilhante na bolsa da empregada para acusá-la de roubo, rivalidade entre irmãos e por aí vai. Variações sobre o mesmo tema que sempre agradam, desde que sejam bem apresentadas em uma trama bem amarrada.

O que eu observo na grande maioria das novelas atuais - ou melhor, dos últimos 10 anos - é que as histórias não têm muito apelo. O público se entedia e perde o interesse. As “encheções” de lingüiça ocupam a trama quase toda. Muitas novelas simplesmente copiam tramas anteriores sem ao menos se dar ao trabalho de usar uma "roupagem" nova. Não acho que excesso de inovação funcione em novela, salvo raríssimas exceções. Tramas muito rocambolescas e inverossímeis, que tentam enfiar goela abaixo temas "modernos" mas chatos de serem visto em novelas, algumas vezes até forçados, personagens incoerentes e rasos, que não nos fazem torcer contra e nem a favor deles, essas coisas também não costumam colar.

Um problema das novelas de hoje, na minha opinião, é o excesso de personagens. Muitos não têm função nenhuma na trama, ficam desfilando e falando textos chatos que nada acrescentam à história. Mas ocupam espaço. E os personagens que deveriam ser os principais e ter mais profundidade acabam não sendo tão bem aproveitados como poderiam. Por isso acho mais fácil apontar os "problemas" das novelas atuais do que sugerir inovações. Até porque (quase) nada se cria, tudo se transforma.

Sou a favor de novelas com menos personagens e mais história. O foco deve ser a trama e não a infinidade de personagens desnorteados. Novelas simples como "Dancin' Days", mas com elementos que prendem o público, são muito gostosas de ser ver. Outras com tramas mais arrojadas, como "Vale Tudo", prendem a atenção do primeiro ao último capítulo. Tudo é muito bem amarrado, não há nenhuma história paralela sem importância, tudo se liga de forma espetacular, todos os personagens têm uma razão de existir. "Mulheres de Areia" mesmo, mistura elementos simples com uma trama empolgante. Difícil ter um capítulo chato. Um outro estilo diferente foi "Mulheres Apaixonadas", que apesar de não ter uma trama cheia de mistérios e reviravoltas, tinha um texto maravilhoso e empolgava bastante.

Em minha opinião são esses os pontos fracos das novelas atuais: muitos personagens sem função na trama, diálogos fracos e histórias que acabam se perdendo no meio do caminho. A adaptação de "A Escrava Isaura" que o Tiago Santiago fez foi muito boa. A produção era simples mas a novela, mesmo sendo o remake de um clássico, atraiu a atenção do público. "Prova de Amor" também. Estilos diferentes, mas ambas muito atraentes e empolgantes. Até o remake de "Uma Rosa com Amor", apesar de modesto, teve seus encantos. Mas "Caminhos do Coração" e "Os Mutantes" foram muito ruins. Como eu disse, acho que tentar 'inovar' demais em novelas pode ser um perigo. Vira um “samba-do-crioulo-doido” totalmente inverossímil, como foi o caso da novelas dos mutantes. Uma verdadeira salada sem pé nem cabeça. Outra coisa que no meu ponto de vista não funciona é tentar transplantar para nossas telenovelas o estilo das séries americanas - com vários personagens que vão surgindo ao longo da trama e depois desaparecendo - como o Gilberto Braga fez em "Insensato Coração". A novela tinha muita coisa boa, mas se perdeu com um emaranhado de personagens e sub-tramas que mais cansaram do que empolgaram. Quem levantou a novela foi a Norma.

Fotos: Google Imagens
Portal R7
Site do SBT



14 comentários:

  1. ACHO O TIAGO SANTIAGO UM GÊNIO.
    UM EXCELENTE AUTOR.
    ACOMPANHO O TRABALHO DELE DESDE UGA UGA ATÉ AGORA.
    E O TEMPO PASSA E ELE SÓ CRESCE !!!!!!
    SÓ EVOLUI.
    TENHO A CERTEZA QUE TUDO O QUE ELE FEZ NÃO FOI NEM O INÍCIO DO QUE ELE É CAPAZ E DO QUE ELE FARÁ AINDA.
    CRÍTICAS SOBRE ELE? SÓ PODEM EXISTIR CRÍTICAS BOAS, EXCELENTES, POIS UM AUTOR COMO ELE MERECE TUDO DE MELHOR !!!!!!!!
    ASS: GIULIANO CANDIAGO

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu pela leitura do post, meu caro Giuliano.

      Óbvio que devem ser consideras tanto as críticas positivas quanto as negativas, pois se construtivas, só acrescentam à carreira do Tiago. Mas o talento dele não está sendo colocado em questão por aqui, todos sabemos que o tem. Apenas estamos sugerindo melhorias necessárias à suas tramas e possíveis modificações ao seu estilo de escrita.

      Espero que você volte sempre ao Blog!

      Excluir
  2. Acho difícil me distanciar para dar alguma crítica. Mas pela minha experiência de 2 novelas dele "Prova de Amor" onde fiz uma assistente social e Uma Rosa Com Amor, onde fiz a empregada Elisa que começou no humor e terminou no drama, matando a vilã, só posso dizer que ele surpreende! Se surpreendeu a mim, imagino aos telespectadores.
    Tiago foi desde menino, muito culto. O que ele escreve vem de bases concretas tanto de lendas, como biográficas.
    Ele é um visionário e sabe dar uma virada numa trama quando precisa. Ele é ótimo em ação!
    Pelo sucesso das 2 novelas que fiz, Romance, humor e espiritualidade na minha opinião poderiam ser muito atrativas depois da última novela que contou a nossa história brasileira.
    Minha mais forte opinião é que a espiritualidade dele ainda tem que ser mais ainda jogada ao público. Ele já me ensinou coisas fantásticas e se ele puder dividir isso numa novela, vou ficar muito feliz!
    Sucesso amigo! Sempre! Voce merece!
    Marcia Kaplun

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Algo que você disse em seu comentário e que eu concordo é que, de fato, o Tiago tem a capacidade (que alguns autores ignoram)de fazer as modificações quando o público pede, embora nem sempre isso funcione positivamente. Ele é um autor próximo do público, interage, e isso é digno.

      Lembro de você em Prova de Amor, na Record, e também em Uma Rosa com Amor, novela que tinha a audiência fiel da minha mãe e de minha irmã, principalmente por causa da Beth Faria. Mas a sua personagem cresceu bastante. Parabéns!

      Obrigado pela visita e principalmente pelo comentário. Volte mais vezes!

      Excluir
  3. Acho o Tiago Santiago um autor razoável. As propostas iniciais das novelas dele são boas, no entanto seu texto mastigado cansa. Das tramas que ele fez, gosto das mais simples como "Prova de Amor" (antes de começar o estica-estica que Record sempre impõe aos seus autores) e "Uma Rosa com Amor". "Caminhos do Coração" e "Amor & Revolução", acompanhei nos capítulos iniciais com bastante entusiasmo, mas logo logo fui perdendo gosto pelas tramas. Pecavam pelo excesso. "Caminhos do Coração" virou o besteirol "Os Mutantes"; já "Amor & Revolução" mesmo com uma ideia interessantíssima e que me prende muito (por contar parte da história do Brasil com vários leques de abordagem), foi transformando-se ao passar dos capítulos em um mar sem fim, tudo num looping, girando em círculos. Me desinteressei. Talvez a ditadura militar seja melhor mesmo em minissérie, como a magnífica "Anos Rebeldes", do, ao meu ver, sempre bom (até nas obras mais ruins, rs), GILBERTO BRAGA.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu ainda prefiro acreditar e torço por uma mudança estratégica de estilo de escrita, do Tiago, pois o problema não é autoral, eu não vejo assim. Trata-se do mau gosto por insistir com diálogos fracos, didáticos ao extremos, consegue nos irritar de tão "mastigado" como você disse.

      Valeu pela visita e comentário, Álvaro!

      Excluir
  4. Eu também sempre achei a capacidade de criação do Tiago Santiago fantástica! Sempre acreditei que ele, no espaço certo, atingiria índices inimagináveis. Contudo, não deixo de dizer que suas novelas, de Escrava Isaura a Mutantes, se perderam do meio para o fim.

    Eu não o culpo por isso. Culpo a "maldita" busca por ibope que as emissoras insistem em realizar transformando histórias maravilhosas em meras "ocupadoras de horário". Pois é isso o que acontece quando surge um espichamento inesperado.

    Novelas só fazem sucesso de verdade quando são a junção perfeita entre uma boa história e um bom texto. Se tiver apenas um dos dois, cedo ou tarde, irá se perder. Acredito, como noveleiro assumido, estudioso de novelas e, até mesmo roteirista, que não existe segredo em se fazer uma novela.

    O público precisa ser comovido, torcer por algo e tomar para si a dor, o desejo ou ambição da protagonista. Ao mesmo tempo, precisa encontrar em uma vilã o contraponto para aquilo que sente. Mas também precisa discutir seus próprios conflitos internos: "Se não é isso que eu quero, por que simpatizo com aquela vilã? Isso não é certo!"

    Nos coadjuvantes, precisa encontrar "amigos" que dê suporte para a trama central. Os mesmo amigos que temos em nossa vida. Aquele que nos faz rir quando estamos tensos, o que também tem problemas, o conselheiro e por aí vai...

    Tudo isso precisa estar amarrado por um texto que fale ao nosso coração, que soe como música, que não precise ser pensado, mas que cause reflexão. Um texto, ora de entrelinhas, ora como um murro em nossa cara. Precisamos dizer: "Era exatamente isso que eu falaria!"

    Numa história, seja ela verossímel ou não, precisamos nos sentir inserido como parte dela, precisamos ser mais que telespectadores, mas sim acharmos que temos o poder de mudar tudo aquilo e essa é a única maneira de que o autor tenha o verdadeiro e exclusivo poder.

    Voltando ao Tiago, eu tenho a certeza que ele ainda nos surpreenderá com uma novela que entrará para a história da teledramaturgia, ainda mais que o remake de "Escrava Isaura" que já entrou para os quais. Confio no Tiago e torço bastante. Muito sucesso!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nem precisa ser um marco da teledramaturgia brasileira, né Jefferson, pois isso já não tá mais sendo tão possível pra nenhum dos autores, mas bastaria ser uma novela empolgante, de bom gosto, texto inteligente, diálogos críveis, no caso do Tiago é sempre recomendável pedir que não seja poético, pois sempre "pesa a mão".

      Vamos torcer para que venha uma excelente novela por aí... obrigado pela visita e principalmente pelo comentário. Volte outras vezes!

      Excluir
    2. Com toda certeza voltarei. Adorei o tema, bem como o modo que é escrito. Já li diversas matérias anteriores e fiquei fascinado. Parabéns mesmo a todos que fazem parte e saibam que já ganharam um fã.

      Quanto ao que você disse, realmente, hoje em dia, marcos na teledramaturgia estão sendo bem difícies, porém, não impossíveis. Vide a própria "Fina Estampa" que com personagens fortes e marcantes, em interpretações magistrais, essa novela, com toda certeza, já entrou para os anais.

      Folhetinesca, cheia de clichês (muitas vezes explorados, propositalmente, à exaustão), contudo, gostosa de se assistir, que é o que realmente importa no somatório final. Um grande abraço!

      Excluir
  5. Achei a sugestão do Fabio super pertinente!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. valeu pelo comentário, Rodrigo... não suma, moço!

      Excluir
  6. A ideia do Sidney é fantástica!! Adorei, post pertinente!
    Pra mim Tiago deveria descansar uns 3 anos, só fez caca ultimamente!

    Fábio
    www.ocabidefala.com

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. ESTÁ NA HORA DE TIAGO SANTIAGO PARAR DE ADAPTAR LIVROS E TIRAR ALGO DA PRÓPRIA CABEÇA.O AUTOR TALENTOSO NÃO ADAPTA.CRIA.E ELE TEM CAPACIDADE.
    COPIAR X-MEN FOI FATAL!(MUTANTES), ADPTAR "ESCRAVA ISAURA", "ESSAS MULHERES" É FACIL PARA QUALQUER AUTOR!QUERO VER SAIR O FILHO DAS ENTRANHAS SEM ADAPTAÇÕES.POR QUE AMOR E REVOLUÇÃO FOI TÃO INTERESSANTE: TIAGO SANTIAGO TEM UM DOM QUE DESCONHECE, ESCREVER FATOS DA HISTÓRIA. MAS FALTA HUMILDADE NELE.INCENTIVO REPETIR A DOSE DE UMA HISTÓRIA DE ÉPOCA.COM DRAMA MAIS ROMANTICO E PASSIONAL.PEGAR UM LIVRO DE UM AUTOR E ADAPTAR NÃO É ACONSELHAVEL PARA UM AUTOR CONSAGRADO OU AQUELE QUE ESTÁ COMEÇANDO!TERRIVEL!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...