segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Sabe aquela Atriz? Saudade da "atuação" dela!!!


Por Isaac Abda

A dramaturgia brasileira é dona de um vasto, invejável elenco de artistas consagrados. Alguns, destacando-se além da vida profissional. Os muitos fãs estão sempre ávidos por saberem mais e mais, também, da vida pessoal dos seus ídolos. Mas se há algo de proveitoso nisso, é preciso que se observe o bom senso, considerando a existência de pontos negativos, tanto ou mais importantes à manutenção de carreiras artísticas. Ou não?!

Faz-me lembrar de uma atriz talentosa, competente, sabe “de onde veio”. Mas parece ignorar o seu futuro. E “aonde vai” essa atriz?! Uma pergunta que parece sem fundamento, se referida à querida, sim querida, Suzana Vieira, de quem sou fã. Embora alguns a ironizem pela superexposição com que a própria trata daquilo que só caberia a ela e aos envolvidos diretos, e não, ao público, não há que se discutir aqui a sua vida pessoal.

Possuidora de uma trajetória brilhante. A maior parte dela dedicada à Rede Globo, onde está há “trocentos” anos, associando a sua imagem de tal forma à emissora que se torna praticamente impossível imaginar a Dona Vieira fora de lá. E sair pra onde, por qual motivo? Óbvio que não é isso o que se deseja... Os meus sinceros votos é que bons ventos soprem novamente sobre a sua carreira, e levem [dela] consigo quaisquer resquícios de suas últimas atuações na telinha. Exagero?! Posso mesmo estar sendo exagerado, as divergências de opinião existem e devem ser respeitadas. Pois bem, mantenho a minha, vide Lara com Z, Cinquentinha e Duas Caras. Que mal há nessas produções e/ou nos seus personagens? Teria o autor (de quem sou fã declarado, portanto me sinto bem a vontade pra dizê-lo) errado tanto? Definitivamente, esses não são os trabalhos feitos pelo querido Aguinaldo Silva, dos quais eu me orgulho. Mas seria injusto depreciá-los por todo o empenho da equipe, profissionais envolvidos, enfim, a obra em si merece o devido respeito. A falha, possivelmente, tenha ocorrido na insistente escalação da mesma pessoa para personagens tão "parecidos" uns com os outros. 

Constata-se já há algum tempo o brilho da veterana atriz parece menos intenso, pois de tantas interpretações sobre personagens escritos “especialmente” para ela, o desgaste foi inevitável. De certo que o público adora a Susana, independente do que ela faça seja na TV ou no Teatro, mas entre os telespectadores mais atentos à sua carreira, é grande a insatisfação. Ora, vejamos então: Ela já foi Maria do Carmo (Senhora do Destino), muito bem escrita pelo Aguinaldo Silva e que não poderia ser interpretada por uma atriz qualquer. Houve uma atuação na medida exata, emocionante, e justiça se faça, não fosse pela companhia da Nazaré (irretocável interpretação da Renata Sorrah, num momento memorável), o resultado teria sido ainda melhor. Apenas como curiosidade, vale observar que a idéia original era a Suzana Vieira no papel da “Naza” e a Regina Duarte como a protagonista da história, a “Do Carmo”.



A Suzana Vieira como vilã? Ah! Vimos, curtimos e aprovamos a Sorrah como a Nazaré. E quem não?! Mas de igual modo, num outro estilo textual, noutro universo novelístico, uma atriz dominava as cenas em que a sua personagem aprontava as vilanias que agitavam a trama. A Branca (Por Amor, escrita por Manoel Carlos e Letícia Dornelles) era “classuda”, instigante, e foi muito bem defendida pela Susana.



Da sua parceria com o Aguinaldo Silva (com Ricardo Linhares e Ana Maria Moretzsohn), impossível não lembrar da fogosa e divertida Rubra Rosa (Fera Ferida) que mantinha um caso com Demóstenes (José Wilker) traindo o seu marido, Numa Pompílio, vivido por Hugo Carvana. A novela super valia a pena e a interpretação da Suzana não destoava disso. Era um ano de trabalhos seguidos e não havia do que se arrepender. Meses antes, Susana exercitava todo o seu poder de atuação [mais um de meus exageros e vocês me matam, né?], na pele da esposa contida, sofredora, mãe zelosa. Assim era a Clarita de Mulheres de Areia (de Ivani Ribeiro e Solange Castro Neves).



Em 1999, novamente com uma personagem antagonista à da Regina Duarte, dessa vez na minissérie Chiquinha Gonzaga, de Lauro César Muniz e Marcílio Moraes, exibida pela Rede Globo, todo o seu talento se fez sentir.  



Muitos anos antes, também na Globo, por obra do Cassiano Gabus Mendes, a Nice (Anjo Mau), uma babá ambiciosa, disposta a tudo para conquistar seus objetivos, despertava sentimentos de ódio e revolta no público. Torcer contra aquela que era a protagonista tornou-se febre no Brasil. E quem estava a merecer tamanho destaque? Lá estava a “saudosa” Suzana Vieira.



Entre os trabalhos dignos de citação, alguns dos quais não ouso tecer maiores comentários pelo fato de não ser um profundo conhecedor da obra, destaco Escalada (de Lauro César Muniz) e A Sucessora (de Manoel Carlos).


É isso. Eu quero mais... Quero mais Gilda (O Salvador da Pátria, de Lauro César Muniz), mais Laís (Lua Cheia de Amor, de Ana Maria Moretzsohn, Ricardo Linhares e Maria Carmem Barbosa), mais Ana Carvalho (A Próxima Vítima, de Silvio de Abreu), mais Lorena (Mulheres Apaixonadas, de Manoel Carlos)... Quero menos “Suzana Vieira”.

Fotos: Google Imagens
Portal Globo.com
Portal R7.com
Vídeos: You Tube

12 comentários:

  1. UAU! Voltou com chave de ouro!
    Ideia antiga essa sua e muito bem desenvolvida né amigo?
    Adorei o post, volte sempre por aqui!!! rrsrsr
    Suzana Vieira é uma grande atriz, uma das melhores, tomara que um dia ela volte com uma boa personagem e que matemos nossa saudade!

    Abraço
    Fábio
    www.ocabidefala.com

    ResponderExcluir
  2. Muito bom seu texto Isaac Abda, adorei!
    Susana é uma atriz por quem também tenho uma admiração profunda. Tem uma aplicação ao trabalho exercida por poucas. Infelizmente 'ficou morna' ao repetir tantos papéis de um mesmo autor. Na torcida por um diferente trabalho com outro texto, pois talento ela já demonstra ter desde o inicio dessa longa e bem sucedida carreira.

    ResponderExcluir
  3. Acho que o fato de ter protagonizado uma novela das 8 fez Susana despirocar legal. Saudade das grandes atuações dela. Eu gostei da Lorena de Mulheres Apaixonadas e da Branca de POr Amor!

    ResponderExcluir
  4. Adorei o post...Adorei o post... Suzana é uma das minhas atrizes favoritas, espero que volte aos bons papeis, aos mais contidos... Sobre “Lara com Z”, eu sinceramente gostei muito da personagem, não da série, explico: atrás de toda a caricatura, Suzana criou um olhar dramático, como se a personagem cheia de atitude e de vontades, no fundo tivesse medo de não ser aquilo que ela achava que era... um olhar de decadência...

    ResponderExcluir
  5. Acho que a Branca de Por amor mexeu muito com a estrutura da Suzana...lembro qdo era criança, ela era uma mulher simpática, jurada do chacrinha, que se dava com todos, mulher bicha...como atriz eu sempre adorei desde Escalada, por causa de um motivo familiar, ela fazia uma mulher com o nome da minha avó e sofria muito na trama...depois fez joias como A sucessora comédia em Partido Alto, uma vilã que ela nunca fala na novela da Janete Clair, Duas Vidas..e concordo com o Isaac...quero mais personagens e menos Suzana... aliás, adoro a low profile Clarita em Mulheres de Areia...

    ResponderExcluir
  6. Pra mim, ela continua interpretando muito bem, o problema é que os papéis dados a ela ultimamente são todos mais do mesmo e não tem bom ator que resista a isso.

    ResponderExcluir
  7. Adorei o texto :)

    Susana Vieira de uns tempos pra cá, é uma atriz de "amor e ódio".
    Uma lástima que ela tenha virado uma subcelebridade. Espero também que ela volte a ser aquela Susana de antes.

    ResponderExcluir
  8. Isaac é bissexto em produção de texto no blog, mas quando o faz, arrasa!
    Susana Vieira, independentemente de sua vida pessoal, é uma excelente atriz que fez papéis importantes e que marcaram a teledramaturgia.

    Mas é realmente uma pena que, após Senhora do Destino, o estrelismo tenha escravizado a atriz e ela tenha se tornado mais ''subcelebridade'' do que artista propriamente dita.

    Também espero que em breve a verdadeira e impecável atriz Susana Vieira (a qual estamos relembrando com a ótima Clarita de Mulheres de Areia no Vale a Pena Ver de Novo) ressurja.

    ResponderExcluir
  9. uma senhora já e fica se comportando como uma menininha, tinha que fazer papel pra idade dela, até porque quem não quiser envelhecer que morra antes.

    ResponderExcluir
  10. Sim, querido Isaac, eu também quero mais personagens da Suzana do que a nova persona dela.Vou digerir o seu belo texto e volto pra comentar, condignamente.Só começo dizendo que minha saudosa mãe era uma grande admiradora da Suzana, primeiro pea postura, pelo caráter, e claro, pelos trabalhos. Nesse último, gotaria que ela estivesse viva, pra expressar sua opinião também. E sim, Suzana é uma grande dama da TV, e não é de hoje. Clarita, de Mulheres de Areia, foi bem citada por aqui, e isso, claro, devido a submissão que Suzana deu à ela, não existe em Clarita uma sombra seguer da grande estrela. E esse é pulo do gato.

    Amanhã, eu volto!

    ResponderExcluir
  11. Obrigado pelos comentários sobre a postagem, Fábio, Cristian, Telma, Diogo, Márcia, Alex, e também aos meus colegas de blog Bruno, Thiago, Edu, Felipe. Contente pelo prestígio de vocês!

    ResponderExcluir
  12. Suzana é uma das maiores atrizes brasileiras, dona de uma carreira admirável e bem construída, a verdade é que ela deixou de ser a grande atriz, para se tornar uma celebridade, e hoje acaba sendo um adorado alvo da imprensa, que fica a espreita prontos para registrar uma gafe ou deslize dela. Admiro muito Suzana, e ela é uma de minhas atrizes preferidas, também espero que um dia ela tenha a oportunidade de voltar a atuar, com um personagem digno da atriz que ela sempre foi, e não um personagem dado de presente. Também escrevi um post sobre Suzana no meu blog:
    http://brincdeescrever.blogspot.com.br/2012/03/susana-vieira-atriz-e-celebridade.html

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...